quarta-feira, maio 23, 2018

NA HORA EM QUE JÚLIO POMAR MORRE A SUA MAGNÍFICA OBRA FICA SEMPRE.

JÚLIO POMAR

O Almoço do Trolha

Mais tarde, Pomar, misturava modos de formar
trabalhando o gesto e a memória de imagens à
flor da pele ou emergindo da fúria

Não há espaço nem técnica para gravar aqui uma escrita digna deste grande artista, Júlio Pomar, um artista inteiro, que antecipava a História quer pela pintura quer pela escrita. E também pela palavra, em longas cenas de convívio, que todos apreciavam, ouvindo, contrapondo, abrindo caminhos que explicavam o seu modo de ver e de ser, a sua marcha pelas veredas da História, descobrindo a forma plástica em diversos sentidos de pausa e força, cavalos que corriam ao nosso encontro, carroças após um neo-realismo erudito, Maria da Fonte, o Almoço do Trolha, dezenas de anos depois sabendo traduzir essa estranha raiva que foi o Maio de 68 e um dia, em Lisboa, entre peles de animais nobres, as senhoras bidimensionais de Lisboa, moda de Paris, uma inquietude sensual que se plasmava ao jeito de um "jornal de parede".
«Celebrado por muitos como "o pintor mais imediatamente talentoso da sua geração e o mais brilhante dos cultores do neo-realismo de 45",  Júlio Pomar está referenciado em todas as exposições e publicações onde se faz o balanço da arte em Portugal desde a segunda Guerra Mundiial.»
Esta nota colhida na Internet deixa-me preso à memória que tenho desta cavaleiro do gesto e da mobilidade visual, entre cegueiras e deslumbramentos, cavando para além dos homens da terra e sabendo parar a tinta na grande batalha das misturas, metendo entre parêntesis uma coisa imóvel, celeste, um rosto de poeta, uma letra encontrada no caminho da sua energia mágica, tudo à mão (ou quase tudo) embora a sua fotografia dilatasse o próprio imaginário e mostrasse que a arte pode ser sempre imensa e esplendorosa sem o ferver actual das tecnologias que nos devoram a fingir que nos servem.   
                                                                                                                Rocha de Sousa 

Sem comentários: