sábado, dezembro 19, 2009

IMAGENS DE ALGUNS FILMES DE ELIA KAZAN

Comemora-se este ano o centenário do nascimento de Elia Kazan, cineasta dos maiores de toda a história do cinema. Recuso-me a ficar calado. Algumas imagens aqui e uma síntese do história deste artista invulgar depois

A LESTE DO PARAÍSO 1955

PÂNICO NAS RUAS 1950


RIO VIOLENTO 1966

AMÉRICA AMÉRICA 1963

O ÚLTIMO MAGNATA 1976

VIVA ZAPATA 1952

ELIA KAZAN: PORQUE NÃO DEVEMOS ESQUECÊ-LO

Elia Kazan
Entre nós, como é habitual em muitos casos, o centenário do nascimento de Elia Kazan (1909)passou quase despercebido. Penso que estas datas datas, relativas sobretudo a grandes criadores do audio-visual, do teatro, das artes cuja natureza nos permite caracterizá-las com o tempo e o espaço, deveriam ser sempre assinaladas, pelo menos, na atelevisão. Não era nada difícil fazer uma notícia, falar com algum conhecedor credível, e passar entretanto algum trecho de uma das suas melhores obras, ou eventualmente filme inteiro. Mais ou menos dilatado, o momento de comunicação pública, seria sempre de boa qualidade, com a vantagem de dservir a conservação de memórias culturalmente inalienáveis. É que, Elia Kazan, emigrado muito cedo para, foi sem dúvida um dos maiores nomes de sempre do cinema. Era grego de Constantinopla, e trabalhou também para o teatro, encenando de forma notável Morte de um Caixeiro Vajante (pela escrita por Arthur Miller) e igualmente Um eléctrico Chamado Desejo (de Tennessee Williams), obra que depois realizou no cinema, com o mesmo título, e a notável exploração expressiva de um actor que não se esquece facilmente, Marlon Brando.
É importante assinalar, desde já, que Elia Kazan ganhou um enorme prestígio como director de actores. Não só os dirigia, em grandes encenações, como também os descobria, através de uma sensibilidade especial. Marlon Brando foi um desses casos, que também dirigiu em obras angukares do cinema, como também aconteceu com o mítico actor James Dean.
Dean, até pela sua prematura e trágica morte, tornou-se a marca de um certo tipo de escola, abrindo uma ilustração privilegiada da geração rebelde daquele tempo e das relações entre pais e filhos, a conquista da dignidade e o valor solitário de a salvar. Rebelde sem Causa (em Portugal distribuído com o título Fúria de Viver) deve-se ao talento de Nicolas Ray e trata-se de um filme de referência no âmbito da sua temática.
Quanto a Kazan, é curioso o seu trajecto, numa América de tantas contradições: alcançou dois óscares (como realizador) pelos filmes A Luz é para Todos (1947) e Há Lodo no Cais (1954). Depois, apesar de uma produção carregada de obras primas, a Academia afastou-o daquele mérito, o qual caberia, com fortes razões, a obras como Um Rosto na Multidão (1957) ou esse inesquecível preito de homenagem aos emigrantes da Arménia, Itália, entre outros pontos, o filme América América (1963). A sua obra é sempre marcada por uma qualidade superior na orientação dos actores, num realismo de timbre dramático avassalador, na busca de conteúdos importantes, próprios dos tempos e da condição humana. Para além destes filmes, há outros de índice igualmente superior e que têm sido injustamente esquecidos como A Voz do Desejo (1956) e O Compromisso (1969), ou esse belíssimo melodrama (com James Dean) Esplendor da Relva.
Em 1999, e apesar de todos os males de ostracismo que têm vindo a matar a memória de obras notáveis, devidas a uma recuperação saudável, mesmo para esclarecer o horror dos pecados de gula manipulada pela espectacularidade tantas vezes gratuita (e cara) das indústrias do meio, Kazan fou contemplado por Hollywood, com a atribuição de um Óscar honorário. O cineasta viria a falecer cerca de quatro anos depois.
Os que tiveram o privilégio de conhecer a obra destes homens, incluindo muitos mais depois recuperados a Leste e noutras cinematografias indissociáveis da nossa verdadeira formação, devem assumir tal memória, sobretudo partindo de professores, artistas, cineastas, escritores, actores, a fim de não nos perdermos em falsos avanços ou na perda do gosto em termos culturais, e também qualidades sociais e ideológica (formativas) de tais exemplos.

sábado, dezembro 12, 2009

VEJA PACHECO ESCRITO POR EÇA DE QUEIROZ



contrapontos

Li hoje um curioso artigo no Diário de Notícias, «Desonestidde de Pacheco», na página A VESPA. O articulista parece ter descoberto mais uma qualidade na natureza pública de Pacheco Pereira. Lá para o fundo do blog lembro-me de ter escrito qualquer coisa sobre ele e A QUADRATURA DO CÍRCULO, ou melhor, O CÍRCULO DA QUADRATURA, que é de facto o que mais parece a dinâmica giratória e retórica sobreposta de Pacheco e Xavier. O terceiro não importa porque vai e volta, e o apresentador/moderador, de óculos redondos e barba rasa, nunca se digna a parar um dos permanentes para dar a palavra ao outro, zelando pela disciplina conunicacional, contra sobreposições e interrupções, a fim de que a emissão chegue ao telespectador com um mínimo de respeito por este oculto personagem.
Embora conhecesse intervenções deste tipo, às avessas, cheias de sinuosidades argumentativas por tudo e por nada, coisas pequenas, murmúrios em forma de boato, a precariedade do trabalho político, no governo e um pouco por toda a parte, dentro da minha cabeça a vespa agitava-se radiofonicamente, cada vez mais eléctrica e estridente. Este trauma fez-me lembrar um famoso tempo de antena radiofónico que dava pelo nome, sempre a condizer, de «Flash-Back». A audiência devia ser enorme. Pacheco Pereira só deixava de falar quando ia passear ao antigo Leste, nomeadamente à Tchechénia (diziam os jornais). Na volta, e sem falar no passeio, a pancadaria nos políticos do tempo recomeçava e Pacheco, desdobrando em redondo longos pensamentos da melhor dialéctica, comia as papas do interlocutor, o queixoso José de Magalhães. Não sei se haveria mais gente no programa, nem qual o coordenador. Lembro-me, sobretudo, de Magalhães (não, não falo do computador, coitado), quando episodicamente ele tentava falar: logo logo logo o interrompia o companaheiro, repetindo uma entrada qualquer, as vezes que fossem precisas, até o outro ser vencido e se sentir amordaçado, compelido a falar na hora tardia da esmola.
Outro dia passei pelo programa do CÍRCULO e fiquei pasmado ao ver um recem saído de Ministro, arfante e simpático, a dar explicações e a justificar a famosa compra do (agora sim) Magalhães: e logo o nosso Pacheco, com o Xavier contristado à espera da sua rábula, se lançou como gato a bofes para desmontar toda uma enorme e artificiosa manobra económica, a forma de comprar o aparelho, o embuste dos programas do próprio computador, tudo péssimo, feito para o terceiro mundo e fabricar mais gente analfabeta. Aqui fiquei um bocadinho perplexo: então as pessoas do terceiro mundo podem receber coisas de embuste, aparentemente porque, na sua menor capacidade de entender, só é devido aos outros, na Europa, o direito a programas bem feitos, dignos de uma escola verdadeira? Parece, pela conversa, que nem aqui se deveria devassar o espaço educativo com aquele princípio tecnológico, piroso e terceiro mundista. Pela boca morre o peixe. E o peixe engole, na água, o oxigénio dela - e não sabe nada de Teoria da Educação.
Resolvi então investigar na VESPA qual o pecado cometido pelo historiador bizarro, enovelante, que vai para a última fila da Assembleia da República e de lá aparece na televisão, ou dizendo uma verdade sinuosa e ponto final, ou refastelando-se no banco, a cabeça inclinada e um sorriso sardónico nos lábios. É, além do mais, e se calhar mais, um personagem que talvez o Eça gostasse de conhecer, escrevendo-o depois num romance que começaria em Moscovo e se desenrolaria no Alto do Pina, em Lisboa, antes, muito antes do PREC. e do ABRUPTO.

Diz o articulista do Diário de Notícias (12.12.2009):
«Se dúvidas restassem sobre a matriz estalinista de Pacheco Pereira e a sua evidente queda para a reescrita da história, o seu Ponto Contraponto na Sic-Notícias dissipa-as. Na última edição, a 6 deste mês, o que era suposto ser mais um programa de análise dos media, foi, tão-só, o tempo de que o "historiador" precisa para desfiar a sua agenda de ajustes de contas pessoais.
Cada programa é utilizado para disparar as mais diversas desonestidades intelectuais contra os seus inimigos, estejam eles fora ou dentro do PSD, fora ou dentro das redacções. Foi o que aconteceu com a análise feita à brochra distribuída por todos os jornais no dia em que entrou em vigor o Tratado de Lisboa. A versão portuguesa de um folheto, cujo conteúdo é certamente discutível, e que foi publicado no mesmo dia nos 27 Estados membros da U.E., foi alvo da fúria de Pacheco que o classificou como um documento de propaganda do Governo do PS pago com o dinheiro dos contribuintes nacionais. Mais adiante, no mesmo programa, quis comparar o DN e o Público, para dizer que, infelizmente, os dois jornais "estão cada vez mais iguais". Socorria-se Pacheco da capa das revistas respectivas, que ambos os jornais publicam aos domingos. Uma capa de publicidade! Exemplo que demonstra que, por mais que Pacheco tenha abandonado há muito o trilho de Estaline, o ex-ditador soviético nunca saíu de dentro de Pacheco...»
_______________________________
a isto chamaria eu uma gravidez de risco

quarta-feira, dezembro 09, 2009

COPENHAGA, ADIAMENTO DA NOSSA ESPERANÇA

imagem publicada na imprensa, altos fornos
debitando para o espaço milhares de toneladas de gases impróprios


Apesar do entusiasmo com que as sociedades mais avançadas encaravam o século XX, por comparação com as alegrias e capitais de esperança quase utópica alimentadas no século XIX, a história, com bases científicas bem sustentadas, ficou sobretudo marcada com duas grandes catástrofes de exclusiva responsabilidade humana: e estou a referir-me, naturalmente, às duas Grandes Guerras mundiais, talvez com relevo mais apocalíptico para a segunda a projectar-se no espaço e no tempo (afinal de ambas), desde a expansão gigantesca das tropas sob o comando geral de Adolfo Hitler, cujas ideias sobre a raça ariana, a dura concepção dos sistemas, a par da exclusão dos judeus, se exprimiu em campo das formas mais hediondas e ocupou em pouco tempo praticamente toda a Europa. Apesar do extraordinário avanço das tecnologias nesse tempo, há cerca de oitenta anos, o fim da guerra e a partilha da Alemanha entre Russos e Americanos, veio traduzir-se, desde logo em termos de reconstrução, num leque de resoluções ao mesmo tempo aterrador e utópico. Não foi preciso esperar muito tempo para se sentirem os efeitos que por vezes decorrem da dinâmica bélica, acabando por se projectar nos mercados e em mutações dos sistemas de vida. Os crescimentos desproporcionados, sobretudo no recurso aos combustíveis fósseis, carvão e petróleo, todos sabemos, induziram brutais gastos de energia, produção massificada de bens de conusmo, opções que, visionando a imensidão do planeta, desde sempre prescindiram do estudo quanto aos efeitos de grandes perdas em lixo, materiais e gases corrosivos, tóxicos, perturnadores do próprio equilíbrio sistémico do planeta. sem pontadOs pensadores castrofistas conseguiram antecipar cenários inquietantes e foram surguindo filmes de ficção que procuravam, contudo, conferir a maior das verosimilhanças a desastres profundos, tratados já com elementos de uma investigação dos sistemas que equilibram a realidade e a realidade da vida. As novas tecnologias, em ambientes difundidos para todo o mundo pela televisão, também reflectiam as aprendizgens decorrentes da complexa abordagem e exploração do espaço cósmico. Mas os limites existem, apesar de tudo. E basta referir que a estratosfera é já um enorme caixote de lixos, entre centenas e centenas de satélites com inúmeras funções. Cá em baixo, há aterros indizíveis, onde só os indigentes profundos procuram restos, comida existente nas embalagens azedas, jantares de pães soltos mas duros, cascas de frutos, uma imensidade de detritos que a fome e o engenho parecem reconverter para usos comuns. Cartões transitórios, entretanto utilizados pelos milhões de cidadãos sem abrigo, cuja casa desmontável se implanta na rua, seja qual for a natureza do tempo, acrescentam às cidades um efeito desagredor da realidade afinal delicada, insustentável (sem ponta de metáfora) ao lado das indústrias poluentes, que rompem em baixo paisagens inteiras e enviam para o espaço biliões de toneladas de gases tóxicos, numa incalculável destruição de equilíbrios, apesar da absorção do Co2 pelos oceanos e florestas. Apesar disso, a verdade é que na superfície da Terra o peso dos factores emitidos desafina a balança dos fenómenos e diversos efeitos relativos à manutenção do equilíbrio.
Hoje, estamos à beira do limite. A derrocada das condições de vida nesta nossa nave colocou-nos, pelas nossas próprias mãos, num cenário de catástrofe global e, a prazo, de total extinção das espécies. Por isso, depois de assembleias mais ou menos falhadas desde há vinte anos, aposta-se tudo na reunião, em Copenhaga, de representantes qualificados de 190 países, um total de cerca de 15.000 pessoas. O aparato ilude. Desde há pouco que já se conhece a reincidência dos Estados Unidos da América em não se comprometerem, apesar de declarações da China e de outros países terem começado por admitir reduções de poluição significativas. As energias aternativas são uma via já em prática mas os donos do petróleo que resta esperam cinicamente enriquecer ainda mais à custa de plataformas especulativas e contrárias ao esforço pretendido. Porque, embora eles pareçam julgar que nada vai acontecer, a verdade é que vai -- e vai muita mais depressa do que se julgava, com os gelos a derreterem, os oceanos a subir, o aquecimento do planeta anunciando alterações climáticas apocalípticas.
Imaginemos um qualquer erro de cálculo e a antecipação de novas ressurreições.

terça-feira, dezembro 08, 2009

INSTRUMENTO ESTRUTURAL DO HOLOCAUSTO

esta e outras fotografias foram publicadas na internet
pelo título

exactamente como foi previsto há 60 anos
__________________________________

Não há erudição que nos valha para trazer à lembrança do mundo a tragédia dos genocídios que os nazis, durante a II Guerra Mundial, perpetraram com o mais ignóbil dos zelos, dispondo de instrumentos capazes de aniquilarem seres humanos aos milhares por dia, meios conhecidos depois como campos de concentração e de extermínio, fábricas da morte ligadas aos polos de captura por linhas férreas exclusivas. Alguém escreveu que o Deus em que uma parte das sociedades acredita, é hoje o mesmo de ontem, de há 60 anos, de há dois mil anos, eterno, omnipresente e omnisciente. Criador do mundo, Ele soube, no próprio instante da criação, todos os instantes da história humana, para falar apenas de nós. É velho este argumento, mas ou as qualidades divinas são aquelas (e então partilha com os nazis tudo num só segundo) ou, a ter cambiantes, o que produziu como universo é de sua livre e exclusiva vontade, assim responsável único pelos desastres verificados entre os homens, no seu tempo mensurável, e considerando que Deus não tem dimensão e que o seu tempo é imensurável, tudo contido num milionésimo de segundo ou menos.


Estas pessoas sobreviveram ao gelo da morte, ao fogo do inferno, às cinzas poluentes que se libertavam de certas chaminés e a certas horas. São o testemunho para a história futura dessa ignomínia a que se chamou o Holocausto. É uma questão da História lembrar que, na altura em que o Supremo Comandante das Forças Aliadas durante a II Guerra Mundial, General Dwight D. Eisenhower, encontrou as vítimas dos campos de concentração, logo estabeleceu um plano de registo exaustivo das pessoas, lugares, testemunhos, através de fotografias, filmes e gravações. E fez mais. Fez com que os alemães das cidades vizinhas fossem guiados até aqueles campos para que pudessem ser testemunhos vivos dos acontecimentos, participando, inclusive, nos trabalhos de enterramento dos mortos. Eisenhower pensava que esta operação era fundamental: ter o máximo de documentos, tanto pela importância deles em si como para lutar contra aqueles que, em algum momento ao longo da história, tentassem lavar os restos do horror, dizendo que tudo aquilo nunca acontecera. Foi um homem avisado, o general, pois passaram apenas 60 anos sobre a guerra e já apareceram os sinais da negação. Quanto ao problema do mal, justamente nesta dimensão preventiva, é bom relembrar o que disse Edmund Burk: «tudo o que é necessário para o triunfo do mal é que os homens de bem nada façam».
Os prolemas da realidade actual começam a ser atravessados por tais memórias e a desencadear litígios na própia Europa, entre questões religiosas, rácicas e da emigração. O Irão, entre outros países, tem vindo a sustentar que o Holocausto não passa de um mito. Num tempo de globalização, com redes comunicacionais em grande escala, a tese do apagamento de certos factos é bem revelador de quanto importa tratar a fundo do património da humanidade, a todos os níveis. É incomportável ver a destruição de monumentos fundamentais na história do mundo, a tiro de canhão, como quem procura, como os talibãs, estabelecer à sua volta comunidades destituidas do sentido de civilização.


O email distribuido na internet a cerca de 40 milhões de pessoas é uma tentativa de preservar a verdade histórica e os valores civilizacionais por que nos batemos.
Há poucos dias, o Reino Unido removeu o Holocausto dos seus currículos escolares porque «ofendia» a população muçulmana que afirma que o Holocausto nunca aconteceu.
Esta atitude é um sintoma assustador, sinal do medo que está a atingir o mundo e quão
facilmente cada país se pode deixar arrastar.


Mas é bem certo que a memória não pode ser destruída, nem por grupos terroristas, nem por teocracias que misturam até ao sangue falsos dogmas religiosos com as convenções políticas menos esclarecidas. A verdade é que, pelo plano dos campos de concentração, sabe-se hoje com propriedade que foram mortos 6 milhões de judeus, 20 milhões de russos, 10 milhões de cristãos e cerca de 1900 padres. Os instrumentos de morte foram conservados, num esforço de significar no futuro a irracionalidade que eles representaram e a sua pérfida geometria, ligações ferroviárias aos pontos, longínquos ou não, de recolha de gente abater. E é pena qus meios da comunicação social, hoje, passem tão ligeiramente por factos ocorridos em África, nomeadamente a guerra entre dois países, por oposição étnica, donde resultaram, em dois meses, a morte de 800.000 pessoas. Onde se colocam estes números? Quem os limpa das próprias escolas africanas?

segunda-feira, novembro 23, 2009

ARTE POR DÉCADAS RESULTA NUM VER REDUTOR

obra de Artur Bario

obra de Joaquim Vieira


O meu apreço pelos textos e análises críticas que Hugo Canoilas publica no seu blog «O Infinito ao Espelho» assenta no entendimento que ele mostra ter sobre as coisas da arte (e não apenas), acertando a voz, sobretudo, nas horas menos resolvidas da nossa fraca vontade de achar. Há bem pouco tempo, referindo-se à exposição realizada pelo CAM e ordenada em volta da década de 70, ele fez uma afirmação (invulgar entre nós) ao considerar que o conjunto de trabalhos exibidos naquele Centro podiam estar em qualquer outra parte do mundo. «Podiam ter acontecido na Polónia ou na América Latina, pois pertencem a um movimento que se tornou global, onde as mudanças sócio-políticas se repercutiram de forma intensa no plano artístico, não sendo possível, por vezes, separar uma acção artística de uma demonstração política».
Esta observação está na área de algumas intervenções minhas, sobretudo na medida em que defendi as diversas redes dos géneros artísticos, já desdobrados por um pluralismo cultural formado na dinâmica das transformações do princípio do século XX, entre tecnologias encantatórias e o aprofundamento científico da natureza dos problemas perceptivos, a par de uma nova consciência do mundo. Iludiram-se os que julgavam possível (e necessário) castrar a inteligência dos criadores numa qualquer unicidade de «produção». A pluralidade de hipóteses formais e de outras metodologias para reformular os modelos em decisivos processos paralelos do fazer, na diferença e na semelhança. É isto que se vê no CAM, libertos provisoriamente dos ostracismos e sobreposições sem nexo. Esta ideia das décadas, onde certas coisas parecem óbvias mas logo rompem com o tempo, é impertinente, em especial quando entregue a uma nova categoria de agentes culturais chamados curadores. Os curadores não são artistas, embora o desejem pela guilhotinagem que praticam sobre muitos artistas, criando pequenos montes de jovens talentosos, prometedores (ou já geniais), quase sem solha para a história, balançando as tais diferenças na semelhança sem notar que tal relação não é a do paradoxo mas o sentido da natureza das coisas.

segunda-feira, novembro 09, 2009

O MURO DE BERLIM CAIU HÁ VINTE ANOS

fotos do Expresso/Actual e revista Sábado


O muro de Berlim, obra aberrante que se tornou emblemática da Guerra Fria, conflito do terror nuclear para um falso equilíbrio entre os blocos de potências a Leste e Oeste (Rússia e EUA), foi rasgado e tombado há vinte anos, na sequência de desanuviamento que se deve em grade parte a Gorbachev. Aconteu de 9 para 10 de Novembro, inesperadamente, como se uma fronteira bélica e sofisticada, onde morreu mais de uma centena de cidadãos que procuravam atravessar para ocidente as terríveis barreiras, o muro, os seus adereços mortais e os atiradores especializados em torres, se parecesse com um velho castelo de cartas. Este muro, construdído pela União Soviética, começou a erguer-se e a expandir-se, cheio de grafitti do lado ocidental, queria ser um modo de dividir Berlim em dois sectores, tornando a chamada RDA uma parte do império comunista, sujeita ao mesmo regime, organização que mantinha, na Alemanha da Leste, um informador ou agente da Stasi por cada 63 pessoas.
As condições históricas e políticas que permitiram a destruição, a céu aberto, do medo de décadas, pairavam entre murmúrios a propósito de perestroika, o muro parecia assim ter uma morte anunciada mas não esperada para tão cedo. Porque, num passado nem sequer longínquo, nos anos 70, ainda se falava a Leste da queda do capitalismo. E naqueles dias, após a derrocada consentida e tomada como resultado político de um verdadeiro desanuviamento, cerca de três milhões de cidadãos da RDA passaram para Berlim Ocidental. As ditaduras comunistas da Europa depressa, e por sua fez, foram caindo uma após outra. Dois anos depois acabou a própria União Soviética, soltando-se algumas vozesduras que anunciavam um difícil fim da história. Rui Ramos, historiador, pergunta (na revista Sábado): «Como foi possível? E sobretudo, porque é que ninguém o antecipou?»

É o próprio Rui Ramos quem escreve: «Em 1979, quase ninguém admitia a hipótese de que o comunismo deixasse de existir na Europa dentro de uma dúzia de anos. A ditadura comunista no antigo império russo durava desde 1917; e, depois da Segunda Guerra Mundial, exportara o sistema para muitos países, até abranger um terço da humanidade». Dirigidos nesse sentido, grupos armados, de sentido marxista-leninista, coordenavam-se e haviam atacado as colónias portuguesas, chamadas então de Províncias Ultramarinas. Essa força expansiva era colossal mas ficou sob pressão. Retomados os espaços, foi o exército português, desde 61 nas picadas e matas de Angola e Moçambique, a ter de defender uma outra expansão, procurando responder replicar a uma ampla guerra de guerrilha, adaptando-se bem às condições, reestruturando as unidades de combate, mas sem grande sucesso a longo prazo, como se verificou. A influência soviética, após operações bem sucedidas, estava um pouco por toda a parte, em particular no armamento e meios de socorro, apoio logístico, treino de angolanos, nos termos apropriados à chamada guerra de libertação.


Gorbachev, em 1988, demarcava-se da ajuda de sobrevivência a outros egimes comunistas. Esta atitude, bem vista a ocidente, tinha custos pesados para aquele líder no interior da União Soviética. Mas ele esperava, com as suas medidas, reduzindo a autocracia, incrementar uma nova vontade nas populações relativamente à «construção do socilaismo». No fim dos anos 80, e porque dependiam exclusivamente da força para manterem, as ditaduras na Europa entraram em colapso político. Perante sociedades «industrializadas urbanizadas e instruídas, não podiam mais contar com o ensimesmamento rural». (R.Ramos) Ao se esfumar o quadro de garantias da União Soviética, a governação daqueles países rapidamente se teve de confrontar com grandes vagas de protesto. Em cada dia que se passava, em plena desorientação, o poder começava a ceder. Tudo mudou, a partir daí, em pouco tempo. E a queda do imenso muro de Berlim, que cortava a Alemanha em duas, foi mais um desses sinais, talvez simbolicamente o maior de todos. Podemos aqui ver, enfim, o escorço do muro na sua plenitude, algo que parece indiscutível e se dilui na distância. Parece pouca a nostalgia e a desertificação controlada a Leste. Mas quem lá esteve pode ainda lembrar-se da cor baça das casas, da estratificação dos modelos, e de uma nostalgia que uns achavam ser o desenho da paz e outros a marca da liberdade ausente.

terça-feira, novembro 03, 2009

E SE UM DIA O HOMEM EMIGRASSE PARA OS CÉUS?

módulo lunar | projecto apolo

À medida que a nossa civilização, agora avaliável em termos planetários, avança no espaço e no tempo, crescendo fisicamente na mais absurda produção de excessos, empastando de lixos tóxicos todos os continentes, uma parte da humanidade começa a interrogar-se sobre quais os meios de sustentabilidade para este fenómeno. No limiar da revolução industrial, as conquistas práticas derivadas de descobertas inalienáveis pareciam abrir ao homem um espaço, no futuro, altamente promissor quanto à facilitação da vida e da sua qualidade. Mas escolhas nem sempre foram sensatas, poucas vezes o foram mesmo quando pareciam evidências colossais. O cálculo do crescimento, que deveria ser enquadrado no projecto da ocupação territórial activa, perdeu-se em apenas duas décadas, não mais, e os novos materiais, tecnologias, maquinarias, processos construtivos de todas as áreas, acederam à ideia de crescer, crescer sem estatuto nem norma, crescer em altura, em extensão, e sobretudo com o fluxo absolutista de meios energéticos derivados do carvão ou do petróleo, no sonho imberbe de que o mundo, pela sua imensa dimensão, diluiria tudo o que fosse expelido em completa desnecessidade para a atmosfera, para certas zonas periféricas dos continentes, para o espaço profundo dos oceanos.
Hoje, apesar dos devaneios insanáveis e das assimetrias assim geradas, tendo em conta o aumento exponencial do quadro demográfico dos povos e os erros de confundir crescimento com desenvolvimento, os organismos mundiais de maior responsabilidade tentam atenuar o famoso efeito de estufa, prever ricochetes tormentosos, investigar alternativas, ponderar as formas de contrair as cargas monumentais de CO2 atiradas para os céus que nos protegiam e garantiam a vida. Porque também a água começa a faltar e os gelos a descer dos polos, provocando um aumento aterrador do volume dos oceanos, mais sete metros no seu nível, daqui a uns séculos curtíssimos, tudo isso configurando as circunstâncias que obrigam a recuar, a redireccionar energias, projectos, falsas necessidades. A catástrofe do sistema orgânico das estruturas fnanceiras, aviso brutal de que ainda estamos a mastigar as consequências, precisa de uma prevenção muito ampla, revisão de mercados e sua regulação. Tais medidas são gotas de água no oceano, as sociedades querem ainda iludir-se com limpezas de superfície, continuarem ricas, permanecerem reféns de uma absurda ideia da deificação para a eternidade do milionésimo de segundo a que nos reduzimos.
Os profetas do século XIX, e sobretudo do século XX, têm sido os cientistas e escritores da literatura de ficção científica. Hoje prevêem cada vez com maior base de conhecimentos e segundo metodologias de áreas como as da biologia, geologia, física quântica, antropologia, entre outras. E já acertaram demasiadas vezes para serem apenas encerrados nos campos do entretenimento. A viagem para o espaço, com as rudimentares caravelas de que dispomos, já começou. A comunicação automatizada à distância permite-nos conhecer de perto astros dentro e fora do nosso sistema solar. Estamos mesmo numa fase na qual se tornou possível descobrir planetas remotos, mais de 400, e daqui a pouco saberemos o que são e como são. Continuamos, contudo, ligados a propulsões quase caricatas, não há rotina à vista, nem velocidades de cruzeiro. Seja como for, a mística instalou-se, de forma distorcida e de forma plausível: o homem tende a desejar conhecer o Universo visto de outras perspectivas, capacitando-se de como será possível, um dia, enviar emigrantes humanos para o espaço com algumas probabilidades de ultrapassar tal destino de um milionésimo de segundo de eternidade.
Olhando para o módulo lunar do Projecto Apolo, o insólito da imagem sobre a Lua, com a Terra brevemente em fundo, altera muita coisa em termos de imaginário. Mesmo quando sorrimos para o design cacofónico destas peças mitigadas, tão claustrofóbicas como as cascas de nóz em que os povos antigos navegaram longamente, para conhecerem onde viviam e o que poderiam esperar do futuro, o nosso espírito agita-se. Após o desaparecimentos de milhões de pessoas, uma geração qualquer, num amanhã indescortinável, poderá assistir à partida sem retorno, em direcção a pontos fora do Sistema Solar, de grupos protésicos de novos «argonautas».

quinta-feira, outubro 29, 2009

TALIBÃS: NEM GUERRA SANTA NEM CONSCIÊNCIA

fotos distribuídas pela Reuters, in Diário de Notícias


Procurando afrontar os Estados Unidos, porque Hillary Clinton chegara em visita ao Paquistão, os talibãs, habitualmente infiltrados no seio da população, executaram um dos maiores atentados jamais visto naquela zona. Um carro armadilhado, logo pela manhã, começou a circular pela principal rua de Peshawar e foi disparado sobre o mercado cheio de gente, provocando uma carnificina de 100 mortos e 217 feridos, alguns dos quais em estado muit graves.
As forças internacionais, sob mandato da ONU, nunca terão meios para destruir tamanha força e uma estratégia deste género. Nem pensem os generais que comandam tais forças em qualquer tese que os faça vitoriosos, mesmo a longo prazo. Em última instância, os militares exteriores terão de enfrentar uma retirado, o que fará deles (seja qual for a encenação) os verdadeiros derrotados.
Esta grande mancha de sangue e de terror que alastra por toda aquela região, incluindo, além do Paquistão, o Iraque, o Afeganistão e o Irão, sem falar da eterna crise do Médio Oriente, é uma aventura sem retorno e praticamente impossível de legitimar perante a irracionalidade dos talibãs. A guerra santa é, sobretudo, uma guerra cega, um vazio cultural profundo, nem se pode resumir a qualquer proposta ideológica, territorial ou civilizacional. As crianças são usadas como combatentes forçados, manipuladas das formas mais abjectas, tudo em nome de causas difusas e objectivos enviezados. Contra a audição da música, dos cânticos, os talibãs incitaram as crianças a uma escola concentrada na memorização do Corão. Uma sociedade pensada assim, em que as artes não podem ter expressão nem audiência, é um «buraco negro» insuperável, sem estatuto humano e civilizacional. «Não há civilização sem arte.»

terça-feira, outubro 27, 2009

VISITAÇÃO À VOZ HUMANÍSSIMA DE LOBO ANTUNES

Lobo Antunes

Lobo Antunes, após ter publicado o seu último livro (Que Cavalos São Aqueles Que Fazem Sombra No Mar?), concedeu uma significativa e comovente entrevista a Judite de Sousa, na RTP1. Lento mas a paralisar todos os meus músculos, eu ouvia cada palavra e cada frase como a Voz mais profunda, simples, linear, inusitada, que o escritor terá comunicado em som e imagem. E era um homem brando, sereno, diferente, falando da sua doença e da dignidade dos que sofreram a seu lado, com a morte anunciada. O homem que soletrava lembranças há alguns anos, e a uma outra jornalista, era o mesmo e um outro. Dizendo, aliás, que passara a lutar por se conhecer melhor a si próprio. E falando da sua escrita, uma «pasta» de palavras que era preciso deslindar, arrumar de forma menos ruidosa no espaço, compr uma primeira página, compactar o livro, dá-lo ao mundo. «Depois de escrito e distribuído o livro já não é meu.»
Um homem que vive sem Deus e que se reune com amigos para falar das coisas que mais lhes interessa, significando o tempo e o espaço das formas faladas quase tudo o que já deixou de se dizer nos quotidianos pardos e na roda ensandecida da pequena política.



À pergunta sobre se a palavra vida é uma palavra justa para definir a sua relação com os livros e a sua relação com a escrita, Lobo Antunes foi considerando:
Nesse sentido posso aceitar a definição. De facto, ao longo da minha vida tenho sistematicamente cortado os pescoços que se interpõem entre mim e os livros, e às vezes tenho a sensação de ser uma galinha que protege os ovos. Os ovos neste caso são os livres, evidentemente. Os livros, o tempo para escrever e a disponibilidade para isso.
Uma questão de método, a entrega, a precisão e o tempo:
Sabe, quando estou com um livro, é uma questão de método. Sempre. Começo às nove e meia/dez horas, acabo à uma, recomeço. E isto todos os dias, até o livro estar pronto.
Isso não é muito esgotante?
Não. O que é mais esgotante são os intervalos entre os livros. Não sei se vou ser capaz de escrever outro livro... porque os livros não são feitos pelos outros; pelo menos nos meus não tenho a inteira convicção de ser o autor deles. Outro dia, por exemplo, eu estava cansado, tinha escrito durante muitas horas. Fui à estante e tirei um livro ao acaso. Era «Os Tempos Difíceis», do Dickens... abri o livro, assim, da mesma forma, e a certa altura de um diálogo espantoso, de duas ou três linhas, na altura em que o filho vai visitar a mãe, já velha e doente, muito doente, e lhe pergunta: «tens dores, querida mãezinha?», e ela lhe responde: «tenho a impressão de que há uma dor aí, pelo quarto, mas não sei se me pertence.» Isto é verdadeiramente espantoso. O acto de escrever, agora, é um pouco parecido com isto: dá a sensação de que há um livro por aí, mas não se sabe exactamente se nos pertence»


Sobre a escrita, a folha em branco, sofrer a escrita:
Sim, representa uma certa sensação de sentimentos misturados, sofrimento, alegria, júbilo, desânimo, descrença. Mas não deixa de ser, é evidente, um trabalho agradável. (...) Na primeira versão, a sensação que tenho assemelha-se a uma estátua enterrada no jardim, é preciso cavar a terra, tirar a estatuetazinha, depois limpá-la da sujidade, dos insectos mortos, das folhas podres, até aquilo tomar a forma de um livro. A segunda versão é um magma que tem de ser muito bem trabalhado».
Sobre o tempo para a leitura em tais períodos:
Leio todos os dias, sim, para aprender. Eu continuo sem saber nada do que é escrever, e tenho a impressão, quando estou a escrever, a trabalhar, de me parecer que sou uma criança cega, a tropeçar às escuras num caminho que não conhece.»


Saber escrever, o orgulho de escrever, que modéstia?
Não tenho modéstia, acho que tenho um orgulho humilde. Quando recebi um importante prémio, em Jerusalém, era preciso fazer um discurso, a incluir num livro (...) O que me veio à cabeça, para acabar, foi uma carta de Newton (que mudou a nossa vida e a própria concepção do mundo: ele descobriu a identidade na diversidade, descobriu que a lua não cai e a pedra que cai são o mesmo fenómeno, e isso modificou por completo o nosso conceito de tempo, abrindo caminho a toda a grande física moderna, todos os avanços a partir do século XIX, Eintein, Max Planck, outros, muitas vias foram descobertas. No fim da vida ele (Newton) escreve a um amigo, mais ou mens assim: «não sei o que o futuro pensará de mim, na minha opinião fui apenas uma criança a brincar na praia que encontrou o seixo mais bonito, a concha mais colorida, enquanto o infinito oceano da verdade continua intacto diante de mim. (...) No fundo, porque uma pessoa escreve? Por um lado, para se conhecer melhor a si mesma e aos outros, por outro lado porque a arte, apesar de tudo, talvez seja a forma suprema de dignificação do homem. A nossa única possível vitória sobre a morte.»


foto citada. A preto e branco, do autor do blog

As citações da entrevista concedida por Lobo Antunes são uma breve parte do conjunto, peça verdadeiramente excepcional e assinalável pela sua humanidade e pela beleza de cada pronunciamento sobre os homens, os amigos, a «sagração» da mãe. Alguns cortes ou muito escassas «mudanças» devem-se apenas às condições de legibilidade neste espaço e nestas condições.

SARAMGO CONTINUA REFÉM DA BÍBLIA E AFINS

José Saramago

Não é do meu interesse alimentar aqui polémicas inúteis. Em volta dos temas ligados à religião católida, o escritor José Saramago contínua debicando «os maus costumes» dos textos sagrados, antigos, pelejando por uma causa já desgastada nos dias que gostaríamos de o ver a dar corpo a um grande livro sobre a conflitualidade contemporânea, os problemas da nossa civilização entretanto confrontada com com os seus próprios malefícios e vastas populações atoladas no pântano da miséria e do horror.
Até porque, ao receber aqui comentários sobre o assunto, a verdade, como diz um bloguista, é que muitas pessoas acusam Saramago de falta de verdadeiro saber sobre a história das religiões, com falhas graves em teologia. Cito: «...ele não consegue sair de um ateísmo atávico, que ainda toma o cristianismo católico como um "inimigo de classe", sem ter nenhuma da profundidade diagnóstica com que, por exemplo Nietzche aferiu a cristianização da civilização ocidental».
Este depoimento é de um «cibernauta» que se declara não cristão e que, sobre o acto de Caim, esclarece: «Caim é filho do Anjo e de Eva, e não de Adão. O homicídio é-lhe ordenado, para que na prole adâmica se pertetue o "sangue" dos Anjos, forçados a abandonar o Éden e a humanidade. Caim não foi uma criatura vil, muito pelo contrário. Foi um "construtor de cidades», simbolismo de protector dos homens e da civilização (...) Caim tmou mulher, e não foi uma irmã. Adão e Eva e seus filhos nunca foram os únicos humanos; a sua "criação" é uma escolha: um par humano foi conduzido ao Éden para lher ser ensinada a sabedoria, A criação do mundo e do homem ocorreu muito antes. O período edénico corresponde ao da edificação da civilização humana, na antiga Suméria, cujos rios, Tigre e Eufrates, são indicados no livro do Génesis»
Este colaborador da blogosfera («Klatuu») sustenta ainda que o Antigo Testamento, muito deformado por delírios da Igreja católica ao longos dos tempos, pouco tem de fantástico, relata factos históricos, a maioria comprováveis.
«Não me perguntem o que são os Anjos, mas posso garantir-vos que não são feitos de diáfano algodão doce com asinhas». Além do mais, este correspondente, insiste que «além de que sob o ponto de civilizacional, se Deus existe ou não é irrelevante. Nenhum crente tem essa certeza, tem sim essa esperança. E mesmo com "Deus morto", todas as civilizações humanas continuam sustentadas num chão religioso. É inútil combater isso como combater o Darwinismo. O caminho é impedir que toda a forma de estupidez e fanatismo destruam a civilização. Mesmo Marx viu alguma utilidade social (ainda que temporária ) na religião... sem esse "ópio" com o qual resolveríamos a angústia do homem comum, pois se nem duas refeições por dia conseguimos dar a todos os homens espalhados pelo mundo.»

Saramgo, a estas considerações, responderia certamente que o que «não está escrito» não é susceptível de se tornar símbolo ou pressuposto ganho através de outros dados. A sua orientação parece ser jocosa, lógica, pragmática. Espero que o livro «Caim» este escrito como objecto de arte e não de análises literais a segmentos do Antigo Testamento. Cada vez são mais as pessoas que se interrogam, já despojadas de tantos adereços litúrgicos e sacros, «mas Saramago não tem mais em que pensar?»
os nomes das coisas nem sempre correspondem
a essas mesmas coisas





terça-feira, outubro 20, 2009

SARAMAGO, BRUEGHEL, AS RELIGIÕES E O PAPA

fragmento de uma pintura de Brueghel

Saramago, escritor português e Prémio Nobel pela sua obra literária, é conhecido, enquanto pessoa, por falar devagar e face austera, por ter preferido viver em Lançarote, na companhia da sua mulher espanhola, Maria del Pilar. Da obra, é incontornável citar obras como «Memorial do Convento», «Levantados do Chão», «O Evangelho segundo Jesus Cristo» ou «Jangada de Pedra». A sua última edição, do livro «Caim», caíu em Lisboa (ou no país) como uma bomba, ou seja: os amigos e inimigos de Saramago vão aumentar em número. O escritor, ateu, tem contudo dedicado obras a diversas formas de reflexão sobre Cristo, a história sagrada, o papel devastador das religiões no mundo. Desta vez, porque a obra fora anunciada como se considerasse a Bíblia «um manual de maus costumes». Ora essa nota, sendo «apocalíptica», está afinal ainda longe quer das palavras dirigidas à imprensa por José Saramago e à essência do próprio livro. A reacção violenta da Igreja Católica, sendo esperada, foi em todo o caso de uma precipitação algo ingénua, pois ninguém, nas horas dessa expressão, lera o livro, o qual estava em distribuição pelas livrarias. Creio que a publicidade e aquela frase, além do historial crítico do autor, fizeram explodir a bomba antes de tempo, incentivando, paradoxalmente, a compra deste último livro de Saramago.

o horror num quadro de Brueghel
ou aquilo que a Igreja, ao longo de séculos
foi provocando

As palavras proferidas por José Saramago em Penafiel, domingo à noite, foram certamente decisivas. Esta minha «apropriação» da notícia e dos factos pretende apenas trazer para a reflexão um certo número de questões ligadas à Bíblia e aos credos religiosos. Vivemos numa época profundamente conturbada, outras o foram há muitos séculos atrás, e o papel que a Igreja Católica desempenhou na gestão de um imenso poder herdado da sua oficialização em Roma, por Constantino, modelou o mundo em termos por vezes monstruosos: as famosas Cruzadas não eram iniciativas inocentes e produziram catástrofez humanas indizíveis (embora Roma não tenha sido o seu comando directo), mas a nossa história e a nossa memória estão bem marcadas pelo brutalidade da Inquisição, abarcando poderosos e simples aldeãos, os países submetidos a um vasto mando sangrento, entre redes de culpadores e falsos culpados.
Mas demos a voz a José Saramago, Nobel da literatura: «...sem a Bíblia seríamos outras pessoas. Provavelmente melhores». Citando o artigo de João Céu e Silva, do Diário de Notícias, Saramago terá endurecido a voz depois das peimeiras considerações: «Não percebo como é que a Bíblia se tornou guia espiritual. Está cheia de horrores, incestos, traições, carnificinas» O escritor considera que «Caim» «é uma espécie de insurreição em forma de livro». Um trabalho de reflexão para outros reflectirem através dele. O problema vale o esforço dos leitores, mas, pela minha parte, continuo a entender que a escrita de Saramago, ao disciplinar-se, carpinteirada por «nivelamento», não nos arranca a entrega como acontecia nessa obra excepcional que se chama «Levantados do chão». O tema (e os temas assim desencadeados) exigiriam, sem barbarismo, algo que nunca se parecesse com um relatório. Ou então o mais estrito dos relatórios. «Nós somos manipulados todos os dias. - declarou o escritor - Temos de lutar contra isso» O problema não questiona Deus, «até porque ele não existe». O problema estende-se às religiões, «porque não servem para aproximar as pessoas nem nunca serviram».
Perante a atitude da Igreja, um outro comentário: «O que me surpreende é a frivolidade dos senhores da Igreja. Não leram o livro e vieram logo, com insólita rapidez, derramar-se em opiniões e desqualificações. Como falta de seriedade intelectual, não se poderia esperar pior. Compreendo que tenham de ganhar o seu pão, mas não é necessário rebaixarem-se a este ponto». Os comentadores da igreja entenderam como ingénua a leitura que Saramago faz da Bíblia: e ele responde «abençoada ingenuidade que me permitiu ler o que lá está e não qualquer operação de prestidigitação, dessas em que a exegese é pródiga, forçando as palavras a dizerem apenas o que interessa à Igreja. Leio e falo sobre o que leio. Para mistificações não contem comigo».
São, de uma forma geral e segundo a sua estratégia, pertinentes estas observações. O pior é que Saramago não deixa de criar divagações que facilmente se prestam aos tais ditos de ingenuidade ou de falta de capacidade para aprofundar os mitos, a sua natureza, e o espaço que abriam ou fechavam nas suas épocas de contexto. No meu livro «A Culpa de Deus» senti o peso dessa experiência, mesmo quando transcrevi alguns salmos à letra. Mas quem medita e escreve sobre esta problemática tem de contar com a poeira e os véus dos milénios. O meu problema era levar um personagem de cultura pluridisciplinar a visitar, sob vários critétrios que guardava para si, os lugares onde, dizia ele, havia mais probabilidade de Deus te deixado alguns sinais -- justamente os lugares da miséria, do sofrimento, da morte adiada. Quem fizer este exercício nunca pode convocar a Bíblia sem desmontar a ausência de sentido ou de respostas após cada inútil mortandade, que papel teria ocupado «naqueles tempos» tão continuadas e absurdas narrativas, horas da obediência à morte dos filhos em nome dos deuses, épocas onde os erros do mero mimetismo acumulavam os mais assombrosos genocídios. Em «O Evangelho segundo Jesus Cristo», o escritor pouco mais realiza do que transformar, em memória da Bíblia e dos Evangelhos, um personagem do seu próprio desejo, na sua invenção de maravilhoso sobre uma estrutura trágica e dearticulada. E, no entanto, o tema dos Evangelhos, esse sim, candente, contém matéria para desmentir, para revelar paradoxos e contradições, aliás num campo onde a linguagem de Cristo é matéria de questionação e de comparação com tradições a montante. Os Evangelhos não revelam nada, não servem para nada, apesar de alguma da sua poética e de frases atribuídas a Cristo lembrarem uma possível teatralização beckettiana. Cristo diz, plácido e maquinal: «Levanta-te e anda». Lázaro, morto, obedeceu, todos viram. Beckett, em «À Espera de Godot», repete a ansiedade de um personagem que queria sair do lugar onde esperava por «Deus» eternamente, sem que ele atendesse ao compromisso. O amigo do personagem fóbico. a cada proposta de partir («Vamos embora») apenas responde: Não podemos, estamos à espera de Godot».
Todos nós, afinal, estamos ainda naquela situação, esperando um sentido onde não há sentido nenhum, impotentes para travar a geminação sangrenta do poder religioso com o poder político. Deus poderá mudar de nome, mas a manipulação é a mesma para a qual José Saramago chama a nossa desamparada atenção. E não vale a pena perguntar, como Hitler sobre Paris, «A Palestina já está a arder?» Os que se fazem explodir na praça pública, talvez na mais horrível e demagógica forma de combater, acreditam nos sinais de Deus, decoraram os textos sagrados e entregam-se ao martírio poque já não conseguem ver o real à sua volta, porventura outra mentira que nos vem do ser e do nada.


O Evangelho segundo Brueghel

quinta-feira, outubro 08, 2009

ARRUADAS E ARRUADORES, ENTRE ARRUFADAS

imagens a condizer, pouco inocentes

Acordei em plena campanha, esta como a outra, esta como as outras, tanto faz. Os protagonistas deliram nas arruadas, entre arruceiros, atacam figuras próximas, armadilham o terreno e negam já o próprio futuro. Qualquer dia recupera-se um presidente ou muda-se de presidente. Esta política (nacional) tem ainda a sua raiz na última Assembleia Constituinte, tempo depois, difícieis, as vozes dos capitães de Abril, na madrugada de 25, em 74, teslizando pela madrugada ao sinal do canto Vila Morena. Essa gesta, à medida que se institucionalizava, foi perdendo o tremendismo revolucionário do MFA, do COPCON, do Otelo-herói-da-democracia-directa, do PCP-com-Álvaro Cunhal, do PPD-Sá Carneiro, do CDS-Amaral-e-Freitas, do PS-de-Mário Soares, esses e muitos outros, quarenta partidos pelo menos, sem febras nem tinto, só com os cravos na mão durante a grande festa, nesse ano, do 1º de Maio.
Do fundo do velho baú, vieram outros símbolos, cito apenas Eufémia, Eufémia patrona dos clandestinos e dos desvalidos nas searas, alentejana longe, morta com um tiro e uma foice de veneração, esquerdas entre esquerdas, a Fonte Luminosa no golpe de virar páginas, intentonas e golpes reaccionários, os pequenos partidos tresmalhados nas colinas da glória vã, E o 25 de Novembro pela noite, em nome de uma qualquer reacção, crispações provisórias, crenças e novos amanhãs, tudo isso e muito mais que não passa de sumário, sem falar sequer no retorno das guerras de África ou no retorno e populações de Angola e Moçambique, um terror súbito na desnecessidade daquele fazer de conta que Portugal, após catorze anos de atraso, alinhava pelas vanguardas. Franz Fanon, amigo das descolonizações, pressentiu que o vão entre a pré-história e a contemporaneidade era vasto demais para súbitos actos de fé. Pela nossa parte, hoje, sabemos como foi pior a emenda do que o soneto.


já D.Carlos gravava assim

Mas a herança apolítica dessa parte da nossa história começa a parecer uma maratona semeada de obstáculos ilegítimos, bandeiras voando sobre os atletas, armadilhas angulares com os piores condimentos, pastas abertas com coligações e tratados soltos em lágrimas, alertas, palavras soezes, e uma perda lenta mas grave e alarmante e global dos valores, direitos, conquistas, culturas, representações da democracia, governos atrapalhados em contra-mão, Assembleia dos ritos e dos gritos, novos mitos, lugar da República que se perfila na pedra das melhores iniciações.
A derrocada do Capital minou o mundo inteiro, abriu as entranhas das maiores patifarias, e já todos se acomodam para arranjar a casa da mesma maneira, depois de limpar a água suja da cheia. Ninguém aprende a urgência de se começar a terraplanagem do planeta das cidades mamutianas, tumores em Metrópoles babélicas, contra os crescimentos a todo o custo e em nome de um Outro Projecto. Tal operação levará mais de um século, mas o minimalismo resultante não significa a súbita passagem à dieta mais rdaical e a mera dedicação a plantar flores, vivendo o grande povo só assim. Mas também não tem jeito, perante a fome no mundo, que se derramem niagaras de leite no asfalto e se congelem milhões de toneladas de manteiga só para protecção de certas fortunas. O mundo da chantagem e do insulto, na obscuridade das corrupções a fingir e a sério, arrebatou a nossa gente, deputados da Assembleia também, comentadores súbitos, como congumelos, intelectuais cheios de empáfia, à esquerda e à direita, televisões arreliadas cuja liberdade não reconhece aos outros o menor comentário público de desagravo, e assim por diante, ministros sob metralha, todos maus, todos erráticos, estes, os anteriores e os futuros, como nas autarquias e nos arranjos que atravessam, num fervilhar de plena impunidade a par de grandes exemplos de trabalho sensato e colectivo. Há quem agtrevesse as malhas da lei, só da lei, porque a douta justiça, apesar de algumas pitadas de modernidade, quase deixou de funcionar, presa sob os escombros da sua independência olímpica, da sua liturgia, através de processos com mais de cinquenat mil palavras atrasando alguma ideia informática para desencarcerar juizes e ajudantes, paquetes e ouvidores a fingir.


cada vez há mais árvores que não morrem de pé

Entretanto, o tempo das eleições é assim como a época das feiras e das vendas a retalho por baixo das mesas de pano. Os novos salvadores são os do BE, paradoxais, que não querem governar e lhes basta fazer diagnósticos devastadores, contra fortunas e humores. Há limites para tudo: se não quer governar, ou pelo penos ajudar, resigna, fala pelas ruas, na Polis. Assim se fazem as misturas explosivas, de antigos partidos, ou algum maçador coktail Molotov. Um dos adversários deste partido que retalha a política nacional em quadradinhos do exame por tomografia axial contputorizada, é naturalmente o PS, ali do centrão e pontas à esquerda, e agora há um verdadeiro inimigo de 21 deputados, terceira força do hemiciclo, gente de direita a espreitar numa esquina mais ampla, CDS-liderado-pelo-Portas (o Paulo do Indendente), agora andarilho de mercados e feiras e peixarias, pedalada apreciável, esforçadamente, mostrando ao povo o paladar das palavras e do seu artifício. Lá se vai o «rendimento de inserção», se o homem se alncandora no beiral da República, em troca de qualquer salmãozito cedido pelo governo minoritário do Sócrates, o Primeiro Ministro do novo paradigma «quanto mais porrada receber melhor». E deram-lhe com tudo o que tiveram à mão e até com o próprio Presidente da Repúblico. Antes de «negociar» com os partidos, que parecem cães devoradores de carne humana, alinhados, a ladrar, ao portão do novo orçamento, Sócrates deveria entrevistar o duce Berlusconi, um mestre na arte de transgredir e de bronzear toda a gente, ele mesmo, mas sem praia.
Entretanto, ouve-se um zum-zum sobre corporações ofendidas com a avançada do governo logo nas primeiras investidas. Mas quem é que sabe aturar as corporações? E a estratificação dos sindicatos com as suas casstes piratas? O Salazar, primeiro português por concurso público nacional, é que era corporativista, uma mentira como qualquer outra, que o digam os Tenreiros e os Mellos, para usar a pitoresca linguagem do PCP, agora herdado pelo Jerónimo sem caceteiros, última mas desciplinada força política da Assembleia, acantonada nas sedes, nos seus motes, nos seus montes, no Avante. Habituaram-se a esperar, mordendo numa dialéctica incapaz de competir com as cada vez mais escancaradas zarzuelas do Louçã. A moda não é o seu forte, no PCP, e lá na sua ideia de ordem ordeira, com palavras gravadas há cerca de cinquenta anos, nem sabem que a moda passa.
O PS, que se espalhara nas europeias, lá ganhou as legislativas, passando a capa ao PSD que já se aprestava para outro triunfo, sob o manto respeitoso da Senhora Ferreira Leite, poupada, pouco arruada, sabendo muito bem gerir os espaços em branco do seu esplendoroso programa. Nada disto tem sentido, porque esta gente já devia ter sido substituída e as regras apertadas, sem arruadores nem arruadas. Como é que se governa assim, aos pingos de uma palavra consensual por cada tarde? Mas eles estão todos nessa. O país passa-lhes ao lado. O PS, traumatizado de há pouco, inclusive pela própria maioria absoluta, já anunciou (ninguém ouviu nem acredita) que falará com todos os partidos a fim de preparar os métodos da governação. Há fadistas dos antigos e dos modernos por ali, o costume, e de resto o Partido, em vez de aceitar a onda do Fado Património Universal, ainda escolhe sobretudo melodias de filmes e de nada lhe serve ter bons faladores, porque os do outro lado da mesa há décadas que são os soberanos interruptores. O Pacheco repete palavras para interromper e acaba com os outros, num instante, abrupto, quadrado, circular e fiel indefectível ao PSD. Ajudou a nova (?) líder do Partido (dizem que social democrata), Dra Manuela Ferreira Leite, ex-ministra das Finanças e da Educação, de obra pouco apreciada e mostrando-se agora inimiga de muita gente, Sócrates como o pior de todos. Se tivesse ganho as eleições, mesmo em minoria, era certo e sabido que, sem ligar a ninguém, acamparia junto das micro, pequenas e médias empresas, o Portugal profundo que diz conhecer. A senhora é sintética e não parece ter pendor para as «arruadas». Aborrecera o Santana Lopes mas corrobora a sua candidatura à Câmara Municipal de Lisboa. De resto, pelo menos até Maio, tratará da sua sucessão com a voz de Rangel, penso eu de que, mas o rapaz é muito novo, embora avantajado e aguerrido, pessoa de oratórias e retóricas maldosamente falhando os alvos ou fazendo vítimas inocentes. Não é de tal palavreado que precisamos, pois o PREC não se repete, nem à esquerda nem à direita - pode é ser pior.


a política não é para competir em arruaça,
é
para implentar em harmonia a Polis

Que é que esta gente toda, tanta que não pode ser tanta, de resto cada vez mais incapaz de esboçar, para além do perde-ganha, começa a esboçar um gesto de bom senso, de partilha, sem tapar os olhos, sem disputa inútil, um gesto, enfim, de interesse por algum projecto (tão perto do apocalipse) susceptível de abrir caminhos modestos mas seguros em direcção aos lugares passíveis de sobrevivência?
E há quem diga que a «festa» está para durar, mais para o lado da Free-Port e dos Submarinos do que relativamente a pactos sérios para ordenar o país e as suas harmonias latentes. A seguir às autárquicas (onde ninguém ganhará, mais uma vez, porque não é disso que se trata) começará logo a ronda das presidenciais. Há muitas figuras reflectindo. E dizem que já está como certa a referencia histórica cujo nome de poeta é Manuel Alegre.
Depois disto, agora que já tenho setenta anos, vou empreender uma micro empresa com papel e lápis. O país requer esse esforço. Muito obrigado, senhor Primeiro Ministro, não preciso de nenhum crédito, mas espero continuar esquecido e pagar apenas o IRS.

quarta-feira, setembro 16, 2009

E ASSIM SE MASCARA A CONDIÇÃO HUMANA

José Sócrates, do PS

Quando mais envolvido pela vida me senti, nas fases tipificadas do desenvolvimento do corpo, da razão e das emoções no quadro abrangente da consciência, mais me fui apercebendo das pressões desajustadas que se exerciam sobre mim. Há nesse encontro com as coisas e os factos, à medida que nos damos conta dos efeitos do exterior sobre nós, uma brutal exigência de descoberta e de entendimento do real, através do imperativo de fazer escolhas espúrias, quer para fora de nós, quer sofrendo os embates de fora sobre a nossa própria condição humana.


Manuela Ferreira Leite, PSD

a menoridade das campanhas eleitorais
O povo português é, em geral, gravemente deficitário em apetências informativas, formativas e empreendedoras. Grande parte da população segue com minúcia e conhecimento de causa o processo anual dos campeonatos nacionais e internacionais de futebol. São raros os adolescentes que apostam na matemática, salvando a sua espécie de tabelas estatísticas vergonhosas, tanto mais que, simultaneamente, conhecem uma vasta percentagem de jogadores de futebol, dentro e fora do país, alimentando fidelidade canina por clubes, a par de desenvolverem elevado nível de saber acerca de tácticas e estratégias naquele domínio. Se, na matemática, ainda podemos responsabilizar certos professores, nomeadamente pela escassa invenção metodológica, já no caso do futebol o problema não se põe, porque não há professores e as aulas são de livre escolha. Ora este desporto, longo como na sua prestação, e hoje corrompido por atitudes competitivas nada saudáveis, perto da violência gratuita, implica uma excessiva manobra financeira, enquanto indústria do espectáculo, sendo claramente certo, até pelo peso logístico, que não vale a mítica atenção que as próprias autoridades lhe conferem. Governos, comunicação social, instituições nacionais específicas, todo esse mundo móvel, manobrador de interesses e de teorias do sucesso, cava no tecido social assimetrias delinquentes, seguidas de mistificações paralelas e da perda continuada de valores do gosto e da cultura.
Tendo tudo isso em conta, numa generalização aos mais impensáveis espaços do país, acontece que vivemos um momento crítico da nossa história, o qual nos obriga a questionar a natureza das chamadas campanhas eleitorais a decorrerem entretanto, pelas quais se decidirá a constituição da Assembleia da República e do Governo. O que sucede nas campanhas, mediante o debate de programas e formas ainda muito ruidosas de esclarecer o eleitorado, vai marcar profundamente o futuro próximo e de médio e longo prazo da vida dos portugueses. Se empreguei atrás o termo menoridade, dirigido às acções empreendidas pelos partidos e pela comunicação social, é porque entendo, como muitos outros cidadãos, que os factos estão carregados daquele sentido, indiciando uma estratificação das estruturas partidárias, um congelamento de ideias, com maus intérpretes da expressão discursiva, maus programas, em trabalhos conduzidos fogosamente antes do próprio começo oficial das campanhas. As forças político-partidárias, beneficiando amplamente de cobertura televisiva e do uso desse meio para debates entre todos os representantes superiores de cada agrupamento, não afirmam um projecto transformador do país e das consciências bloqueadas, antes tratam de mastigar restos de história, factos sem importância, sonhos medíocres e sempre votados à mera estratégia para ganhos numéricos de votos. O que tem acontecido nos debates da televisão é bem o sintoma agudo de que o o problema de um projecto nacional, capaz de tornar credíveis certos avanços anunciados para o futuro, não se renova nem ganha nitidez, porventura iludindo um maior balanço (simétrico) dos investimentos e dos proveitos, sempre em áreas vitais e onde são escassas as indicações quanto à defesa da qualidade nos vários níveis de ensino e seus objectivos, também quanto à problemática das estruturas urbanas, à importância dos direitos na habitação, suas regras e harmoniosa ocupação do território, ligando as coisas à inqualificável obtusidade de um plano capaz que deveria aclerar uma justiça de rosto humano, menos litúrgica, menos burocrática, tendo ainda em conta a paragem laminar da exploração do imobiliário, especulável e derrotista relativamente à vida quatidiana, a par da reinvenção do tecido produtivo, da sua distribuição geográfica, dos seus efeitos plurais ou inovadores, algo que refundasse o sistema industrial, a escala das empresas e dos grupos, vocações, prioridades, numa decisiva estratégia a favor da permanência e contra mobilidades caras ou desgastantes, precriedades sem o menor respeito humano.
Parece que os políticos e as centenas de comentadores que se multiplicaram nos últimos tempos não tomaram ainda consciência de que o nomadismo dos seres humanos foi queimando etapas sem glória enquanto os eixos civilizacionais, direccionando etnias e tribos, consolidaram a urbe, as redes de comunicação, a relativa homogeneidade das nações em visíveis áreas de conquista, geologicamente relacionadas com cada evolução; e assim grandes grupos se sedentarizaram em bases de criação e resposta às necessidades colectivas. Tal estabilidade, mesmo perante as transformações da revolução industrial, revelou-se de boa prestação, inventiva, aquietando os homens no estudo e construção do seu habitat, sem que a velocidade e as guerras de interesses dúbios acabassem por diluir o desenvolvimento dos saberes e a disponibilidade conferida à edificação de diferentes patrimónios.
Isto não se refere à mobilidade técnica e cultural de massas que se deslocam pelo mundo, abarcando tanto o desejo de conhecer lugares e pessoas como a cumprir relações profissionais. Nenhum destes viajantes circunstanciais (usufruindo de maior riqueza e respostas de serviço) promovem hoje indústrias ligadas ao lazer e à procura lúdica. E nenhum deles se desaloja do emprego e das suas raízes: não voltam à sua terra para dormir debaixo da ponte e procurar emprego precário por três meses apenas, na esperança desbotada de mudar de trabalho, ao acaso da oferta, bem longe da sua casa arrendada, aliás caríssima, e dos amigos e dos restos de tardes serenas fruídas não há muitos anos.

João Jardim, PSD da Madeira

a precariedade do trabalho e o nomadismo apenas
destróem a verdadeira grandeza do espírito humano

A governação estratificada da Madeira, detida pela reeleição de um só homem, parece a alguns corresponder à estabilidade e à bondade da permanência de que falei aqui. Este homem, assim reclinado, fumando em delícia o seu charuto, é justamente o sinal contrário daquilo que se abordou atrás: os períodos de governação ou gestão de certo tipo de instituições devem ser limitados, pois o vício de tal acomodação comporta prejuizos diversos para a comunidade. Um aluvião pastoso, desvitalizado ao longo de anos, não se compara a uma terra firme e diversa onde os homens podem recriar processos técnicos e sociais de (digamos assim) sólida estabilidade.
Numa tentativa de globalização que pode criar massificações e homogeneidades cancerígenas, o mundo dá sinais de inquietação, apesar das populações, habituadas a consumir, se sujeitarem à moda do transitório, do emprego precário, dos recibos verdes, da mudança de casa, da fragilidade dos conceitos e das práticas, tudo a reduzir-se pela bitola rasca da competitividade.
Não sabem nada dos seres humanos, os senhores que anunciam com desvelo convicto e algum ênfase, a sua força: o lugar para sempre é conceito antigo. Hoje a mobilidade comanda a regra. As novas gerações não vão mais, e ainda bem, estar presas a famílias sedimentadas, a raízes de nascimento e memórias risíveis. Hoje tudo muda, tudo se troca, não haverá mais a pasmaceira do emprego fixo e da carreira garantida.
Perante estas vozes, algumas das quais, fingindo operar nesse sentido, nos roubaram em escalas monumentais, deveremos abreviar o seguinte: um professor do secundário, sujeito a mudar de escola e de terra todos os anos, viu agora a sua ansiedade aquietar-se por quatro anos; a seguir, mudará como dantes, perderá raízes recentes, amigos, alunos, sonhos. Estes homens e mulheres são o exemplo da injustiça social das sociedades modernas. Um professor só fará uma boa prestação se tiver tempo, estabilidade e permanência para estar com os seus, para investigar e descobrir novas estratégias pedagógicas. Um dia poderá escolher, por si mesmo, uma mudança que corresponda a um projecto próprio. De outra maneira, empurrado como as caravanas dos circos, virá a soçobrar muito antes da idade da refroma, se ainda houver reforma, porque há muitos organismos económicos e políticos que, de um momento para o outro, comem tudo à sua volta -- e se calhar em nome do progresso. Progresso, contudo, não é soma de lixos e de bens de consumo, perecíveis.
E o resto que se preconiza não passa desta nova versão da exploraçlão do homem pelo homem, de tão má memória. As empresas escolhem trabalhadores novos, de preferência pouco qualificados para poderem receber honorários de cão. Os mais velhos nem portas entreabertas encontram. Depois, flexibilizando tudo, um emprego dura três meses, com honorários abaixo do mínimo nacional, e poderá dar acesso a um novo patamar, do quel se transitará para o contrato. Tudo eufemístico ou abusado: cada vez mais os primeiros três meses se transformam em precariedade. E o trabalhador vai arranjar curriculum noutra empresa ou noutra cidade -- e só será um verdadeiro homem do século XXI se tropeçar nos meses e nos anos desta maneira, cada vez mais vazio e sem acesso ao desenvolvimento social e cultural. Vai ficando na orla das massas. E todos nós bem sabemos como essas multidões podem ser destruídas com uma simples pressão periférica: absurdas e cegas e mudas, cairão em cascata, aos montes e de lado. Dos que morrerem não falará a história. Os sistemas de crescimento actuais não se traduzem em mudanças qualitativas: a esquizofrenia espalhou-se por todo o lado, da América à China, passando pela perfumada e decadente Europa. Além dos exemplos aqui ilustrados, qualquer de nós, seriamente, pode arranjar centenas e centenas de precariedades, pobreza e pestes.

sábado, setembro 12, 2009

CIVILIZAÇÃO DO PARADIGMA, OBESA E CASTRADA


Estamos a viver a idade do paradigma, quando, ainda há bem pouco tempo, a obviedade é que contava. O paradigma tanto pode anteceder as decisões erradas dos pensadores como a prosódia e prosápia dos políticos, ou mesmo dos comentadores. O paradigma permite-nos encarar com maior optimismo a globalização, necessariamente massificante e geradora de soluções comunitárias híbridas. Esta cultura tende a apagar a memória mais profunda das antigas civilizações e sem excluir a compressão redutora da própria civilização contemporânea, esta mesma, feita de adições inúteis ou de necessidades artificiais, com vista a tornar tudo fascinante mas cada vez mais despido das grandes sínteses pelas quais se coordenam possíveis descobertas de viragem para objectivos fortes mas amenizantes. De resto, estamos igualmente a viver o empobrecimento da virilidade, entre perigosas mitologias sobre o corpo sexual, a par de sucessivas fracturas do prazer livre, sobretudo naquele quadro através do qual julgamos entender o mundo; não há mais paradigmas que invertam a perda da actitude eréctil ou o desconforto da ejaculação precoce, temores crescentes com diagnósticos facilitados pela desordem do mundo, pela complexificação de todos os excessos, entre o desejo, a informação e o consumo. O desgaste do homem aumenta com as forças insensatas a que se submete, porque o ensinaram (manipularam) para competir em vez de partilhar, porque lhe curaram as pestes com curto-circuitos cerebrais, convencendo-o de que o vácuo que também cresce é apenas uma armadilha da lassidão ideológica.












Há um pequeno filme de produção inglesa, ligado às opções musicais e televisivas, que nos mostra o termo da civilização tal como a conhecemos agora, entre cidades devastadas ou submersas. Imperam tribos urbanas disputando territórios e meios de comunicação abortiva, salteadores munidos de câmaras de vídeo em pleno paradigma da caça redutora de imagens, correndo nos corredores virtuais do acesso ao poder. Sobram, por outro lado, palavras intermitentes nas grandes paisagens carregadas de ruínas, siglas de velhos impérios transcontinentais, biliões de referências descodificadas que o homem das novas máfias, obeso, acumula em substituição das proteínas, por dentro de cozinhas onde se dispersam, inúteis e fora de todos os prazos, caixas de doces e enlatados sem nome. Restos de salas ou quartos exibem igualmente largas obstruções de lixo, incluindo monitores ligados em permanêmcia a uma rede de canais ZIK, marca brotheriana, aindda capaz de simular o advento de novos paradigmas, com domínio em prosódia radical, lexical, e larga incontinência de discursos opacos. O verbo surge em pleno ruído sem pausas, tudo deglutido pelos neotoxicodependentes das caravanas geminadas, apartamentos incompletos, caves soturnas alimentadas do exterior com atmosfera pouco oxigenada. Max, o reporter, caminha ou corre como qualquer personagem dos antigos thrillers americanos. Ele maneja a sua câmara como qualquer máquina letal dos exterminadores vindos do futuro para emendar erros do passado e salvar paradoxalmente o futuro, dimensão que o espaço e o tempo não explicam, acabados entretanto os paradigmas. Max é um combatente de qualquer coisa cujos limites e identidade ele mesmo já não sabe localizar com precisão. E trabalha com uma mulher irrecusável, em cenários dignos dos melhores videoclips do fim do século XX.



Um último personagem, condenado ao consumo da informação mais aleatória e alienante expedida pela ZIK, surge em planos fixos cortados por cascatas dos mais diversos dados de informação, algo que nos lembra a tortura da «Laranja Mecânica», ver contra a vontade dos olhos e a capacidade do cérebro, do corpo todo, imagens e letras, brumas, cores, alarmes, tudo sem fim e sem melodia. O homem que está preso por esta cadeia de informações não descodificadas, tudo em nada no registo macro, absorve sinais sem história e luzes insuportáveis, os gritos e ansiedades do mundo sob máscaras de empresas perdidas no fundo do tempo. A aflição deste condenado da civilização que o integra e serve tende a minimizar a nossa própria consciência e é no paroxismo daquela carga sem retorno que assistimos, em paradigma, ao rebentamento de um provável novo homem assim amordaçado à terrível ordem do horror, projectado em todas as direcções na forma de pedaços de carne e peças anatómico-estruturais cuspidas em redor, os olhos, os ossos da cabeça, todo o ventre dilatado espirrando líquidos e tripas, jactos de sangue, palavras mal digeridas e logo diferidas, parte da face, um maxilar, líquidos gordos, amnióticos, milhares de dados indecifráveis caindo, pouco depois, como flores de neve sobre um território urbano inteiro, chuva de assombro, calada no mais opaco dos silêncios.




Provavelmente, isto não passa de um pequeno artifício das artes visuais, anos 90, para gerir o medo que que excita a fome de tudo, bolos secos e carne pôdre, medo também do futuro e das graves infecções do mundo obstruído em nome de uma civilização assente no paradigma do global, entre monstruosas catástrofes «naturais» que começava a engolir toda a ideia fanática dos crescimentos insustentáveis.


Fui ver o noticiário da televisão (ontem, quando escrevia este texto) e o que vi, numa longa reportagem de alguém que, por acaso, dispunha de uma câmara vídeo, testemunhava mais do que estivera a pensar: registava a própria derrocada das torres gémeas, em nova Iorque, mostrando um certo fascínio que o horror também provoca, enquanto os bombeiros, confinados a um átrio onde nada podiam fazer, estremeciam a cada estrondo dos corpos que caíam do alto do edifício que se desfez mais tarde. Essa boca aberta no esgar da morte por explosão exprime brutalmente o que muitos cidadãos americanos e de outros países sentiram no seu dia de apocalipse.




Um novo Sísifo,
talvez um novo Prometeu
a sofrer um crescimento
que não inventou
nem pediu
nem reclamou.














Um fotógrafo que metralha o visível
com a sua câmara insaciável



































Ela sabe guardar
os circuitos
informáticos
e dar respostas

rápidas ao cameraman que
procura um atalho para o futuro