quinta-feira, julho 17, 2008

IMAGENS DE UM PESADELO SEM LIMITES

Guerreiros mujaedines abrigam-se, em Setembro de 1999,
do fogo de soldados talibãs.

PRISÃO
Foto que rendeu a João Silva uma mencão honrosa. Presente na exposição da galeria Diário de Notícias: série de imagens recolhidas em trabalhos realizados no Iraque, Líbano, Afeganistão, Malawi. Esta fotografia serviu para ilustrar uma matéria de Michael Wines sobre as cadeias do Malawi, em Junho de 2005. Centenas de prisionairos dormem amontoados numa cela para duas ou três pessoas. Cada «cela» chega a comportar 160 prisioneiros. Esta imagem alucinante ultrapassa muito, muito acima do pensável os maiores exemplos da falta de respeito pelos direitos humanos.
«As minhas imagens são como se as pessoas estivessem a ver um pesadelo prolongado», diz João Silva, repórter de guerra português, que terá exposto parte do seu vasto trabalho na Galeria DN, em Lisboa, a partir da data deste post. Modesto nas palavras mas corajoso na acção, o repórter que já esteve muitas vezes (demais) perto do inferno, reuniu uma série de testemunhos dessa fogueira pelo mundo fora. Da África do Sul, onde acompanhou o fim do apartheid, ao genocídio do Ruanda, passando pelas guerras no Iraque e Afeganistão, viu e registou a morte, a miséria, o ódio, o racismo. E atravessaram a sua lente, valendo-lhes alguns prémios, outras «paisagens» da irraccionalidade humana. Obteve assim uma menção honrosa no World Press Photo, com imagens de um ataque sniper a uma patrulha do exército norte-americano em Karmah e com o espantodo registo de uma prisão no Malawi. E a cores, pois, segundo amigos próximos, o jornalista terá dito que o preto e branco é o refúgio de fotógrafos medíocres, opinião muito controversa, pois todos os meios podem servir os génios. O resultado deriva do génio, da sensibilidade, do talento, da vertigem de diálogo do homem com o real a cada instante.

2 comentários:

jawaa disse...

A arte tem de servir os homens.
Decerto o melhor prémio, o que mais lhe encheria o coração, seria o mundo poder acabar com estas atrocidades, os genocídios - anunciados ainda por cima...!

Paradoxos disse...

lamentável estes acontecimentos!!

abraço