sábado, outubro 14, 2006

OS RESTOS COMO REQUIEM URBANO









reciclar, perder, recuperar, abandonar, ser, restos como requiem urbano, cascas de casa

____________________

Andavam os vagabundos e os sem abrigo pesquisando o conteúdo das sargetas quando lhes caíu um motor de avião em cima. Sábios, logo disseram que nada daquilo pertencia a Bin Laden, pois o expediente era demasiado pobre e pouco matador para que se fizesse tal juizo. Tratou-se apenas de um incidente, espécie de terrorismo ocidental . A ordem ocasional das coisas pode ser estudada na complexidade crescente dos excessos degradados do lixo, caixas, cartões, vómito guardado em plásticos, o tempo que leva à mudança dessas despaisagens.







4 comentários:

Micas disse...

Há já algum tempo que cheguei até este espaço através da Daniela.
Um espaço do qual gosto imenso, pela grande qualidade e abordagem de temas muito interessantes. Nunca deixei comentário porque o meu parco saber não mo permite, venho aqui beber um pouco do seu grande conhecimento. Bem Haja.

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras disse...

Convite recebido e obviamente aceite. Obrigada.
Desde que o conheci, não deixei de vir ao desenhamento. Aliás, gosto de ficar por cá, ler e reler o que escreve, mas tal como a micas, não me sinto à vontade para comentar, pois entendo não ter conhecimento nem saber ao seu nível.
Aproveito para agradecer o muito que já me ensinou e me fez pensar e já agora reafirmo como estou grata por ter encontrado este espaço.
Cumprimentos.

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras disse...

Modestamente tenho a dizer que o o requiem urbano de que fala é a meus olhos algo que Vc soube expressar como ninguém : despaisagens.
Achei piada à metáfora que aqui usou, dos sem abrigo, mas como sou uma optimista acredito que as novas gerções, saberão de facto reciclar, recuperar e reutilizar e acabarão também por recuperar as paisagens.
Estarei a ser demasiado crente?
Cumprimentos.

P. Guerreiro disse...

O Quino tem uma imagem no seu album "Potentes, prepotentes e impotentes" que me veio logo à ideia mal o li.
Nessa imagem e numa sequência tripla um casal consome de cima de um monte de dinheiro deitando os seus detritos para o lado onde se encontra um grupo de pessoas. No final da sequência o casal deitado em espreguiçadeiras fica sem sol, encoberto que ele foi pelos restos acumulados. De cima desse monte um grupo de pessoas continua a observá-los.
Continuo a visitá-lo sempre que posso, nem sempre comento é verdade, mas os seus post's falam por si .

Um bom fim de semana!