sexta-feira, dezembro 14, 2007

ARTISTAS PORTUGUESES CONTEMPORÂNEOS | Raúl Perez


Raúl Perez, nascido no Minho, em 1944, realizou a sua primeira exposição individual aos vinte e oito anos. Já veio encontrar praticamente concluída a arrumação das artes, os seus canais de influência e lugares de ancoragem, tudo temperado com molho francês e recentes especiarias da América, entre as culturas a Ocidente e um espaço a Leste, sobretudo depois da queda do muro de Berlim. O currículo de Perez dilatou-se rapidamente. E, na galeria de S. Mamede onde agora expõe a sua última produção, foi assinalado pelos eruditos. Cruzeiro Seixas, na pose da etiqueta surrealista, dirá em jeito de chancela institucional: «Nas suas telas só aparentemente o edifício é tão-somente um edifício, a coluna uma coluna como qualquer outra, o buraco um simples buraco que sugira rato humorístico ou presença erótica. Vazio, ruína, negrura, solidão que são representação de gentes que conhecemos -- e de nós próprios. Praças e ruas, vejo-as povoadas, embora sejam Inverno». Estas palavras traziam o fio da invenção surrealista, a poética dos nomes e o non-snse da paisagem. Para que a actual obra de Perez, belíssimos desenhos de um imaginário ligados a uma espécie de vida alienígena, se garantisse desde ontem. São sonhos transformados em aparência e substância É o inconsciente e expelir uma antiguidade humana indeterminada. Ninguém citou Breton (cuja voz papal influenciou o surrealismo em Portugal), nem Cesariny que, não querendo ser bispo em França nem no nosso país, ficou em cardeal dos criadores portugueses neste sinuoso movimento à medida que o tempo passou. O próprio Cesariny, achando que o surrealismo é quase um buraco negro que tudo absorve, fez-se pintor, entre palavras recomeçadas.
Raúl Perez mostra-se, mais do que nunca, fiel a uma ideia ortodoxa (no melhor sentido) do imaginário surrealista: porque, ao viajarmos pelas suas construções de gente nenhuma e os seres que faz passear de modo absurdo, é a mão hábil que burila a lápis ou tinta uma filigrana do próprio sonho.





obras de Raúl Perez, de pequenas dimensões e sem título

4 comentários:

♥≈Nღdir≈♥ disse...

Os meus sinceros votos de BOAS FESTAS.
Espero que o Pai Natal seja generoso e que distribua muito amor, paz, saúde e carinho.

Mil Beijos ≈©≈♥Ňąd¡®♥≈©≈

Anónimo disse...

eu sou um aluno do 12 ano e estou a elaborar um projecto que está ligado á Escultura e ao Cinema e gostava de lhe fazer umas perguntas... posso enviar o questionario por mail...se aceitar o convite terei todo o gosto em faze-lo...para isso deixo aki o meu mail...


andre_10_pereira@hotmail.com

Anónimo disse...

cs ,raul gostaria emenço de saber se o senhor era neto de uma s,chamada isolina .,caso ela tanbem tinha um filho chamado gonçalo peres .residentes em v.n.de cerveira,se a assim e eu sou sua prima direita filha de gonçalo.gostava emenço de o reconheçer,tlm 912840408.obrigado ass.celia peres

Anónimo disse...

isto é uma treta porque nao tem nada do que eu queria