quarta-feira, fevereiro 13, 2008

SACRIFÍCIO, de André Tarkovsky

Tenho estado a rever a obra fílmica de Tarkovsky, meu objecto de culto, e penso reflectir sobre alguns dos principais aspectos desta superior criação. A estética de Tarkovsky coloca em campo as mais profundas reflexões sobre o homem, a vida e a morte, abrindo a linguagem aos seus mais extraordinários efeitos directos. Deixo aqui a primeira imagem do longo plano de abertura que marca, desde logo, o último filme de Tarkovsky.

4 comentários:

jawaa disse...

Não conheço a obra desse «seu» mestre, ainda por cima saído das estepes russas. E porque não é a primeira vez que mo refere, vou procurar saber mais.

copa-rota disse...

TARKOVSKY

Por muito fiel que seja a crítica sobre a sua obra, entrar no seu Universo é algo que só poderá ser possível quando estamos de corpo e alma diante das suas películas.

Inquietante...
Maravilhoso...
Perturbador...
Arrepiante...
Refinado.

Um obrigado especial, a si João, por me ter dado a conhecer tão carismática e grandiosa obra.

Um abraço :-)

P.S. De todos os filmes de A.Tarkovsky que já vi, " STALKER " é o meu eleito.

fernanda f disse...

"Não consigo de modo algum entender o problema da chamada "liberdade" ou "falta de liberdade" de um artista. Ele nunca é livre. A nenhum grupo de pessoas falta mais liberdade. O artista está preso ao seu dom, à sua vocação."

Andrei Tarkovski
Esculpir o tempo
Martins Fontes
São Paulo
1998

Olá João

Marcos Gonzalez disse...

Olá, João. Como você, também tenho visto e revisto a obra de Tarkovsky. Acabo de ver Sacrifício, e como sempre fico pensando na vida, procurando mais na internet, daí ter chegado aqui. Como é bom ver um artista de verdade, coisa tão rara hoje em dia. Abraços, Marcos, do Rio de Janeiro, Brasil.