sexta-feira, junho 13, 2008

A 120 ANOS DO NASCIMENTO DE FERNANDO PESSOA

Esta semana começam as celebrações dos 120 anos do nascimento de
Fernando Pessoa

Porque esqueci quem fui quando criança?
Porque deslembra quem então eu era?
Porque não há nenhuma semelhança
Entre quem sou e fui?
A criança que fui vive ou morreu?
Sou outro? Veio um outro em mim viver?
A vida, que em mim flui, em que é que flui?
Houve em mim várias almas sucessivas
Ou sou um só inconsciente ser?
________________________________________
poema inédito / obras completas de Fernando Pessoa, Ática

2 comentários:

copa-rota disse...

Na celebração centenária de Fernando Pesssoa, apraz-me recordar o meu pai.
Um homem, um artista múltilplo, com um talento imenso, mas sem tempo suficiente para o aplicar.


IMPRESSIONISMO

ESTE...
É o poema tingido
De luz e de cor...
De sangue escondido
Na carne em flor.

Aqui não há tragédias!
Há só apenas
Uns místicos sabores...
Uns mórbidos sorrisos
Num palpitar de cores.

ESTE... sim!
É o poema encarnado,
Mais vermelho que o vermelho!
É o poema da rosa
Em frente ao espelho.

Ruy de Portocarrero

( PROMESSAS E LOUCURAS- 1960 )

Um grande abraço, tiomestre... até logo.


Miguel

Ana Verdeperto disse...

Não soube como fazer,para me aproximar de si.
Venho por este meio felicitá-lo pelo livro escrito por si, "DESENHO Área: Artes Plásticas
IV Volume". Terminei a leitura a entender e a saber como dialogar sobre o desenho.
Transcrevi um pequeno excerto para o meu blog. convido-o a dar uma vista de olhos.

os melhores cumprimentos