quinta-feira, agosto 31, 2006

ESBOÇO DE UMA AGONIA


O calor em volta, passos breves na areia, a lua vai nascer. Há um planeta além que serve de bússola aos pescadores. Daqui a pouco, o mar à direita, começam a aparecer vultos na sombra, trabalhadores da candeia, e com eles vem a ilusão de que se acentua o batimento repetitivo das ondas baixas na orla do mundo. Hoje, com a temperatura morna da noite, vou dormir além, junto das rochas, atrás de uma pequena duna salpicada de juncos.
Aqui estou, acabando de comer uma sardinha seca e um bocado de pão duro. Olho de longe a brutal grandeza dos edifícios, ainda a jorrar luz ao longo da curvatura da baía, outrora uma larga praia de areia branca. Quando o terreno se torna vermelho, em formas tubulares que se desmoronam constantemente, o negro toma conta do espaço, encosta deslizante, aqui e além lances de pinheiros bravos.
Ao voltar a estas paragens do chamado mundo global, vagabundo sem abrigo como sempre, espreitando primeiro a cidade atravessada por multidões e mercados que transbordavam para a rua, a lembrar um velho filme de culto, Blade Runner, decidi conceder-me esta deriva de despedida, sentir na pele o alerta, dar descanso à minha solidão de protoplasma, no limite. O medo que alimentava em torno de muitas coisas, e que me retinha em casa a espreitar o mundo pelo buraco imperfeito da televisão, não era o de há pouco, estava implantado em mim desde criança - e assim mesmo, segundo as regras, tive que realizar o meu percurso humano, entre letras e artes, restos das escolhas ainda possíveis, partilhando as coisas e os lugares com escassos amigos, deixando em escrita manual páginas e páginas de uma propriedade trágica, sobre a qual, agora, nem eu mesmo seria capaz de discutir.
A expansão capitalista das necessidades, em efeitos de sedução que o estado redutor do pensamento ideológico permitia, ultrapassava todo o conjunto das necessidades normais de consumo, agravando de forma radical o alastramento das dependências, das novas epidemias, da fome propriamente dita e da fome patética do sexo, com recursos gravosos no trajecto entre ausências.
De madrugada, ou quando amanhece, vejo, da margem em que ainda posso habitar, imensas filas de carros, lado a lado e a perder-se na lomba longínqua do horizonte. No café de plástico que posso frequentar, a televisão vai mostrando as guerras em curso, no Mediterrâneo, na América do sul, Índia, Ásia, Ilhas da Indonésia - e assim por diante. Cinquenta mil mortos em castástrofes naturais, chuvas diluvianas, terramotos. Oitenta mil mortos nas guerras que decorrem, sobretudo a sul, e linhas sinuosas de colunas humanitárias um pouco por todo o mundo.
Sento-me. Como as sardinhas salgadas. Mijo contra a rocha, a cinco metros do meu habitáculo. Fito, durante muito tempo, a estrela que serve de orientação aos pescadores. Vou dormir, ou tentar dormir, mas acabo por vomitar a comida e por fim uma espécie de espuma branca, algo que me recorda a fronteira do mar, pequenas ondas borbulhantes, um murmúrio, a espera. Sento-me de novo. Penso naquela praia deserta, quando eu era criança e vinha com os meus pais de férias para uma casa alugada a gente do mar. Tenho as pernas em chaga, hoje, inchadas e dormentes - e procuro superar-me fixando a luz circular do farol, esse fogo que avisa os homens embarcados, trabalhando na pesca. Adormeço para acordar mais tarde, afinal já de madrugada, febril e nauseado. A luz do farol está apagada.

2 comentários:

naturalissima disse...

Mesmo conhecendo como sei de si, ainda hoje me surpreende! Custa-me a escrever este comentário por duas e fortes razões:

1ª não nasci com o dom da escrita,... existe dentro de mim tanta coisa que gostava de exorcisar através da plavra escrita, mas "desconsigo"!

2ª na sequência da primeira, fiqui engasgada com esta maravilhosa história. Chegaram-me lágrimas aos olhos e garganta apertada a medida que o lia! Na vedade, vive-se neste mundo tal como o sentimos e vemos...., mas há que ter de ver o outro lado dele, porque existe sim o outro lado, tio.

Orgulho-me de ser sua sobrinha.
Admiro-o muito e lamento que PORTUGAL não o reconheça como um grande escritor, um excelente pintor... um Artista Português.

Um beijinho
Daniela

betty coltrane disse...

É dificil começar este comentário - nenhum começo me parece bem... Um texto com esta profundidade não é fácil de escrever. Não é fácil de ler. Não é fácil de digerir. Mas é, sem dúvida, do mais compensatório que há! Como leitora, poucas coisas me agradam mais que um texto difícil - que esconde uma multiplicidade de significantes e significados dentro da história, dentro da própria estrutura textual - dentro da sua "alma" de coisa escrita... E posso dizer-lhe que este texto possui essa rara qualidade, pelo menos em minha opinião. Por isso continue, por favor - talvez um dia ainda tenha a felicidade de encontrar um dos seus livros nas bancas!

Despeço-me calorosamente!